Design made in Portugal

by Inês Martins

Frederico Duarte apresentou um pouco sobre a sua investigação em design contemporâneo brasileiro demonstrando que indicadores sociais do país estão a criar e desenhar o seu próprio modelo de Design – a identidade do Brasil cravada nos seus objetos. No entanto, uma das suas afirmações que me suscitou mais curiosidade foi (e passo a citar) “não existe design português existe design feito em Portugal”. Não concordei nem discordei, não percebi… Após algum tempo de reflexão e pesquisa cheguei à conclusão de que talvez Frederico Duarte estivesse a tentar levantar uma questão pertinente – Será que o design português espelha a identidade de Portugal? Será que os objetos genuinamente portugueses identificam e são identificados pelo seu país de origem? Curioso… É que caso a resposta seja negativa então poderá afirmar-se que o que existe em design português são cópias de estereótipos, espelhos de outras culturas aleatórias. Isto poderá ser um pretexto para pensar na “dispersão” de dados nesta disciplina, na existência de duas associações profissionais, na ausência de uma Ordem e na extinção do CPD (Centro Português de Design) por não sustentabilidade económica.

Por outro lado, existem inúmeras personalidades que tem vindo a desenvolver trabalho que enfatiza o design nacional. Jorge Silva aceitou um desafio e foi responsável pelo lançamento do livro “Portugal by Design” em 2015, selecionou autores e fez o design da publicação. Uma tentativa de criar “um dos retratos possíveis do design nacional, através de uma abordagem com um registo fotográfico de informalidade e ritmo que relaciona as obras com o contexto onde são consumidas e produzidas”.[1] Segundo Guta Moura Guedes co-fundadora e presidente da associação Experimenta – Associação para a Promoção do Design e Cultura de Projecto, “uma imagem impressionante da enorme vitalidade, pluralidade e qualidade que o design nacional apresenta neste momento. O livro traz-nos a força de um grupo de criadores, autónomos, independentes, versáteis, mas também contribui para a construir uma nova percepção sobre um país que, de forma cada vez mais expressiva, se destaca pelo seu posicionamento na área das indústrias culturais e criativas.” Após a extinção do CPD, o professor José Bártolo criou uma plataforma de referência na cultura do design em Portugal para sabermos quem somos, o que fazemos, onde estamos. Segundo o próprio é espaço para ensaio, crítica e até curadoria.[2]

Paralelamente ao desenvolvimento na área de Design em Portugal e ao número de profissionais cada vez mais saturado, a questão mantem-se – Estará o design português a absorver de facto a cultura portucalense de modo a ser um selo da identidade de Portugal? Ou está a comerciabilidade dos objetos a contribuir para a aculturação do nosso país?

Palavras-Chave: Design Português; Portugal; cultura; aculturação.
Fig1: “Pop galo”, a mais recente obra pública da artista plástica Joana Vasconcelos, uma adaptação do conhecido galo de Barcelos.
[1] Citado de: http://www.designportugues.pt/pt/noticias/lancamento-de-portugal-by-design
[2] D/Pt – Plataforma/Arquivo: http://www.designportugues.pt/pt

2 thoughts on “Design made in Portugal”

  1. O tema explorado pela Inês parece-me um tema muito relevante, especialmente do contexto desta cadeira. Começa por fazer uma pequena introdução que nos esclarece acerca da questão que ela tem: “Será que o design português espelha a identidade de Portugal?”. Ao longo do post, são vários exemplos que nos ajudam a formar uma opinião, assim como boas fontes para que possamos explorar mais o assunto se assim o entendermos. Apesar de ser um post breve, penso que transmite exactamente o que é necessário, vai direito ao assunto e dá-nos margem de manobra para que tiremos as nossas próprias conclusões.

    Like

  2. Assunto pertinente por ser intelectualmente desafiante.
    A nacionalidade do design é, em geral, uma jogada de marketing político e comercial e, em particular, um desejo dos historiadores e teórico do design em encontrar ‘gavetas’: este é design italianos, este outro é dinamarquês e este é brasileiro… É uma rotulagem que pode ser escalpelizada ao pormenor.
    Quando olho para o design em Portugal, e tenho o cuidado de não dizer design português, observo uma panóplia de influências que vão do desenho formal até aos materiais justificadas pelo contágio com a produção internacional. A partir da década de 1950 os designers encontravam-se todos nas Feiras Internacionais que proliferavam na Europa e na América. Naturalmente, os industriais com a pouca apetência para correr riscos, pediam a esses designers que ‘copiassem’ as peças que considerassem mais vendáveis e mais fáceis de produzir com a tecnologia existente no país.
    Posto isto, onde fica a portugalidade do design? Quais os traços que permitem identificá-la?
    Já agora, porque escolheu o galo para ilustrar o post?
    O post deveria ter links para ampliar conteúdos.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s